14 de janeiro de 2012

O VATICANO E O ISLAMISMO NO CONTEXTO PROFÉTICO

Vários leitores têm protestado fortemente contra a minha sugestão de que Obama poderia favorecer a expansão do Islão nos EUA. O seu raciocínio é que Obama é um cristão, não um muçulmano. Alguns chegam a afirmar que Obama nunca teve qualquer ligação com muçulmanos na sua vida e, consequentemente, ele não tem nenhuma razão ou desejo de facilitar a expansão do Islão na América. Essa alegação é negada por várias evidências a serem apresentadas em breve. Mas a questão na minha mente não é se Obama teve ligações muçulmanas no passado ou que tenha tendências muçulmanas hoje. Afinal a América é uma sociedade multi-cultural que pode legitimamente eleger um presidente muçulmano, judeu ou católico.
Será que Obama vai promover a expansão do Islão nos EUA?
De uma perspectiva profética, a nossa preocupação não é investigar a prática religiosa de Obama, por si só. Afinal Obama tem o direito de professar qualquer religião que escolher. Pelo contrário, a nossa preocupação é ver se durante os próximos quatro anos da administração Obama, a presença e poder muçulmano crescerá significativamente nos Estados Unidos, assim como a influência católica cresceu enormemente durante os últimos oito anos da administração Bush.
A Influência Católica durante o Governo Bush
No boletim 208 discuti longamente a expansão da influência da Igreja Católica durante a administração Bush. Escrevendo para o The Washington Post David Burke oferece este bom resumo: “Este presidente protestante [Bush] cercou-se de intelectuais católicos, escritores de discurso, professores, padres, bispos e políticos. Estes católicos – e a sua doutrina social católica – têm ao longo dos últimos oito anos moldado os discursos, políticas e legado de Bush, a um grau talvez sem precedentes na história dos EUA.
“Bush também colocou católicos em papéis proeminentes no governo federal, e contou com a tradição católica de fazer um caso público para tudo, de sua iniciativa com base na fé à legislação anti-aborto. Ele casou a intelectualidade católica com a experiente política evangélica para forjar uma poderosa coalizão eleitoral.” (The Washington Post, 13 de abril de 2008).
Para uma discussão e documentação do crescimento da influência da Igreja Católica durante a administração Bush, leia o boletim 208 (http://www.biblicalperspectives.com/endtimeissues/et_208.htm) “Será que o presidente Bush se converteu ao catolicismo?
Será que a besta semelhante a um cordeiro de Apocalipse 13 será habilitada tanto pelo Papado como pelo Islão?
Se Obama irá facilitar o crescimento da presença e poder dos muçulmanos na América, como Bush fez com o catolicismo, então podemos ver como a besta semelhante a um cordeiro do Apocalipse 13, que a Igreja Adventista identificou como a América, será habilitada, tanto pela Papado como pelo Islão a opor-se ao verdadeiro povo de Deus.
No devocional de 2008, O Evangelho de Patmos, o professor Jon Paulien escreve: “Há algo de cordeiro sobre o animal quando ele aparece pela primeira vez [EUA], mas a sua oposição ao dragão desaparece e com o tempo ele começa a falar como um dragão. A besta da terra passa a ser o articulador decisivo no cenário mundial, trazendo uma unidade mundial no fim dos tempos, em oposição ao verdadeiro povo de Deus (Ap 13:12-18).

Vinte e cinco anos atrás, o pensamento de que a América poderia se tornar o articulador dominante no cenário mundial parecia loucura. Do Vietnã ao caso Watergate, da estagflação às desculpas de Jimmy Carter, a América parecia em declínio no cenário mundial. Antes que você possa falar como um dragão você tem que ter o poder de um dragão e as cordas vocais! Mas o cenário do Apocalipse é credível hoje. ” (P. 240).
Pode o papado e o islão trabalharem juntos para trazerem o confronto final sobre a adoração?
A resposta de vários leitores é “NÃO”, porque eles argumentam que estas duas religiões são radicalmente diferentes nas suas crenças e nos seus métodos para alcançarem a dominação mundial. Veremos que o problema com esse raciocínio é a incapacidade de reconhecer que a fé católica e a muçulmana, compartilham muito mais em comum do que muitos imaginam. Neste boletim, tentarei mostrar que tanto João Paulo II como Bento XVI têm trabalhado intensamente para desenvolver uma nova parceria entre o papado e o islamismo.
É interessante notar que, em 4 de novembro de 2008, enquanto os americanos votavam por seu novo presidente, mais de 130 líderes muçulmanos estavam reunidos no Vaticano para discutirem maneiras de melhorarem o relacionamento e desenvolverem uma nova parceria.
Este importante assunto é examinado neste boletim. Você pode não concordar com todos os pontos do meu estudo da Bíblia. Mas isso não é um problema. Eu não espero que todos concordem com tudo que eu escrevo. O que eu apresento é uma proposta para uma análise mais aprofundada, e não uma posição dogmática. Meu objetivo é estimular o seu pensamento e ampliar sua compreensão das profecias do fim dos tempos.
Obama vai promover a expansão do Islão nos EUA?
Como mencionado anteriormente, vários leitores têm protestado fortemente contra a minha sugestão de que Obama poderia favorecer a expansão do Islão nos EUA. Seu raciocínio é que Obama é um cristão, não um muçulmano. Alguns chegam a afirmar que Obama nunca teve qualquer ligação com muçulmanos na sua vida e, consequentemente, ele não tem nenhuma razão para facilitar a expansão do Islão na América.
Em retrospectiva, penso que teria sido mais sensato para mim ter evitado fazer qualquer comentário sobre os candidatos presidenciais, porque é evidente que os americanos se sentem muito apaixonados por eles. Para alguns evangélicos, como declarou Pat Robertson no Larry King Live, Obama é “alguém entre Moisés e o Messias”. Para mim, porém, Obama e McCain não são libertadores messiânicos, mas políticos falíveis que tentam ganhar apoio popular, prometendo muito mais do que podem cumprir.
Nenhum presidente americano pode legitimamente ser glorificado como um libertador enviado por Deus, tendo um mandato divino para resolver os problemas que enfrentamos hoje, como a crise económica, a criminalidade, as alarmantes taxas de divórcio, o aborto, o impulso para casamentos do mesmo sexo, a cobertura de saúde para 45 milhões de americanos não segurados, a educação acessível e o desemprego.
A partir de uma perspectiva profética quanto mais perto estivermos do fim, mais estes problemas se intensificarão, inaugurando o que o Apocalipse chama de “A Grande Tribulação”. A solução definitiva para os problemas da América e do mundo, encontra-se no divino penetrando no tempo e na história humana com a Vinda de Cristo. Sua segunda vinda, em breve colocará fim a todas as crises econômicas, sociais e políticas e estabelecerá o reino eterno de Deus de paz e prosperidade.
Ideologias humanistas Enfraquecem a Esperança do Advento
É importante notar que um fato importante que tem levado muitas pessoas a rejeitarem a esperança do Advento é o humanismo. Simplesmente declarado, o humanismo ensina que a humanidade possui recursos políticos, econômicos, científicos e tecnológicos para construir um amanhã melhor. Assim, não há necessidade de que Cristo regresse para estabelecer um novo mundo, porque a humanidade possui os recursos para construir um amanhã melhor.
Lembrei-me dessas ideologias humanistas, enquanto assistia aos discursos e debates dos candidatos presidenciais. Eles corajosamente apresentaram os seus programas como uma solução para todos os problemas que a América enfrenta hoje. Milhões de americanos foram cativados por sua eloqüência e responderam, contribuindo com seu tempo e quase um bilhão de dólares para apoiarem o candidato de sua escolha. Eles acreditam sinceramente que seu candidato vai implementar políticas que darão início a um futuro melhor. Essa crença, em última análise obscurece a necessidade do Segundo Advento para estabelecer o reino eterno de Deus.
A paixão e o entusiasmo gerado pela campanha presidencial, me ensinou uma lição importante. As pessoas podem ficar muito animadas e dispostas a contribuirem com seu tempo e dinheiro para apoiar um homem que lhes oferece a esperança para um futuro melhor. Cerca de um bilhão de dólares foram arrecadados para os candidatos presidenciais. Nós temos sido inundados com chamadas telefônicas, folhetos, cartazes, cartas, exortando-nos a votar em determinado candidato presidencial.
Que maravilhoso seria se a nossa igreja adventista pudesse gerar a mesma empolgação e apoio para preparar um povo para o breve retorno do Salvador! Será que a igreja precisa aprender novas estratégias com os gurus das campanhas presidenciais de como convencer, inspirar e mobilizar as pessoas para proclamarem as boas novas de um Salvador que breve virá? Pode ser que precisemos aprender como desenvolver uma simples e clara “plataforma”, uma mensagem sobre o fim dos tempos que ofereça às pessoas a esperança e confiança de um amanhã melhor.
Obama nega ligações muçulmanas
A discussão da possível ligação de Obama com o Islão, não se entende como uma crítica de filiação religiosa. Como mencionado anteriormente, na América, qualquer pessoa tem o direito de professar e praticar qualquer religião. O interesse por esta investigação decorre do fato de que o possível crescimento da presença e poder dos muçulmanos nos Estados Unidos durante a administração de Obama, pode representar um significativo cumprimento profético de Apocalipse 13. Nós Podemos ver como a besta semelhante a um cordeiro em Apocalipse 13, que a Igreja Adventista identificou como a América, será habilitada tanto pelo Papado como pelo Islão a se opor ao verdadeiro povo de Deus.
Obama tem repetidamente afirmado: “Eu sempre fui um cristão”, e invariavelmente negado ter sido um muçulmano. “A única conexão que eu tive com o Islão é que o meu avô do lado do meu pai veio daquele país [Quénia]. Mas eu nunca pratiquei o Islamismo”. Em fevereiro, ele afirmou: “Eu nunca fui muçulmano. Além do meu nome e do fato de que eu vivi num populoso país muçulmano por quatro anos, quando eu era uma criança [na Indonésia, de 1967 à 71], tenho uma ligação muito pequena com a religião islâmica”. Http://www.danielpipes.org / article/5544
“Sempre” e “nunca” deixa pouco espaço para equívocos. Mas muitos fatos biográficos recolhidos por jornalistas americanos e estrangeiros, sugerem que durante a sua infância, Obama teve uma educação muçulmana razoável sob os auspícios do seu padrasto indonésio.
O pai queniano de Obama, o Sr. Barack Hussein Obama (1936-1982), foi um muçulmano que nomeou o filho de Barack Hussein Obama Jr. “Hussein” é um nome comum dado aos meninos muçulmanos.
O padrasto de Obama, Lolo Soetoro, também era muçulmano. De fato, como a meia-irmã de Obama, Maya Soetoro-Ng explicou a Jodi Kantor, do New York Times: “A minha família inteira era muçulmana, e a maioria das pessoas que eu conhecia eram muçulmanas”.
As informações provenientes da escola católica Fransiskus Asisia Strada, que Obama frequentou na Indonésia, 1967-70, sugere que ele se registou como muçulmano. Nedra Pickler da Associated Press informa que “os documentos mostram que ele se matriculou como muçulmano” enquanto frequentou a escola católica durante os três primeiros graus. Kim Barker do Chicago Tribune confirma que Obama foi “listado como um muçulmano no formulário de inscrição para a escola católica”.
A escola pública que Obama frequentou 1970-71, na Indonésia, é também conhecida como Sekolah Dasar Nasional Menteng No. 1, ou escola Basuki. Paul Watson do Los Angeles Times foi informado pelos indonésios familiarizados com Obama quando ele vivia em Jacarta, que ele “foi registado pela família como um muçulmano em ambas as escolas que frequentou.” Haroon Siddiqui do Toronto Star visitou a escola pública de Jakarta que Obama frequentou e concluiu que “três dos seus professores disseram que ele foi matriculado como muçulmano.”
A família indonésia de Obama: O seu padrasto, Lolo Soetoro, era um muçulmano. De fato, como a meia-irmã de Obama, Maya Soetoro-Ng explicou a Jodi Kantor, do New York Times: “A minha família inteira era muçulmana, e a maioria das pessoas que eu conhecia eram muçulmanas”. Uma publicação da Indonésia, o Banjarmasin Post relata que um ex-colega de Obama, Rony Amir, recordou que “Todos os parentes do pai de Barry [apelido dado a Obama] eram muçulmanos muito devotos”. (Http://www.jewishworldreview.com/0408/pipes042908 . php3)
Por Samuele Bacchiocchi

1 comentário:

Blogger disse...

eToro is the #1 forex broker for beginner and pro traders.